domingo, 6 de março de 2016

Dia da Escola. Homenagens ao Livro: EU (H. Pontes Neto). Eu, o Livro (Frei Betto). Pronomes Pessoais (pessoas do discurso). Atividades


Comemoramos todo dia 15 de Março o Dia da Escola, que depois da família é a instituição social mais importante. 
De onde vem a palavra escola?  
Vem do grego “skholê”, que significa descanso ou lazer. A explicação é que na Grécia Antiga as atividades de estudo, pesquisa e filosofia eram para as pessoas que tinham dinheiro e não faziam  trabalho braçal, portanto, tinham muito tempo livre, para se dedicar ao descanso e ao lazer, uma vez que as atividades de  estudos eram consideradas leves. 
Padres Jesuítas  
do século  XVIII  
dando aula  para os índios
As primeiras escolas do Brasil foram trazidas pelos padres Jesuítas no século XVIII,  que atuavam  na  formação religiosa, cultural, cívica e moral dos filhos dos colonizadores portugueses, dos  indígenas e, principalmente, da elite que liderava a sociedade da época, além de catequizar os índios.  Para homenagear o Dia da Escola, nada melhor que homenagearmos o livro. Escolhemos os textos abaixo,   que você irá gostar  de  conhecer. São eles: 1) Eu - que nos fala  de um  livro e um menino, os dois personagens da história de uma grande amizade que nasce da descoberta do livro pelo  pequeno leitor   2)  Eu, o Livro-de autoria de Frei  Betto.    
                                                 EU 

         Eu não era nem novo nem velho. Tinha a capa colorida, um pouco amassada e uma das páginas rasgada na parte de baixo, naquele lugar que chamam de pé de página.
Vivia jogado no canto de um quarto junto de velhos brinquedos. Todos os dias o menino entrava no quarto para brincar. O que eu mais queria era que ele me desse atenção, me segurasse, passasse minhas páginas, lesse o que tenho para contar.
Mas que nada! Brincava naquele quarto e nem me olhava. Ficava horas e horas com os toquinhos de madeira, carrinhos, quebra-cabeças e outros brinquedos.
Eu me sentia um grande inútil. Um dia não aguentei mais: chorei tanto, mas tanto, que minhas lágrimas molharam todas as minhas páginas e o chão. Parecia que eu tinha feito xixi no quarto. Levei um tempão prá secar.
No dia seguinte, quando os raios de  sol entraram pela janela, me senti  melhor, e minhas páginas secaram todas.
Um dia o menino entrou no quarto  com um  lápis e uma folha de papel.  Assentou-se bem pertinho de mim e   encheu os dois lados da  folha com  desenhos e rabiscos.
Em seguida, me segurou, me folheou,   viu algumas de minhas ilustrações e me abriu  no meio com aquela  cara de quem queria rabiscar.
Eu acabava de ser descoberto! Preso entre as  suas mãos o meu coração disparou de alegria: tum, tum, tum, tum... Era muita emoção para um livro só!
Autor: PONTES NETO, Hildebrando. Eu. Ilustrações de Mariângela Haddad. Belo Horizonte: Dimensão, 2002. 
 Fonte: Sistema de Avaliação da Educação Básica do Rio de Janeiro SAERJ Língua Portuguesa, página 33. Disponível em:  http://www.saerj.caedufjf.net/repositorio/saerj/externa/pdf/GuiaMatrizReferenciaLinguaPortuguesaSAERJ.pdf
Vamos praticar?   O ponto de exclamação no final da frase “Mas que nada!” indica que o personagem do texto está:  a) curioso; b) decepcionado; c) assustado; d) pensativo. 
Conheça os pronomes pessoais para resolver as atividades, que inclui escrever uma redação com o tema:   Eu amo a minha escola. 
Pronomes  Pessoais - pessoas do discurso
Singular
Plural
1ª. Pessoa - Eu                     
1ª. Pessoa  - Nós  
2ª. Pessoa - Tu  
3ª. Pessoa -  Ele /Ela
2ª. Pessoa - Vós        
3ª. Pessoa Eles/ Elas
 Atividades I  -   Eu
I. Releia o  texto -  Eu. Responda:  
1) Quem é o autor?  Você gostou da história? Porque ? 
2) A  história  tem como título - EU.  Esta  palavra é um pronome pessoal. Sim ou Não? ---
3)Faça um "X"na alternativa correta. O  pronome está:  a)  na 1a.  pessoa do singular;  b) na 1a. pessoa  do plural;  
c) na 3a. pessoa do singular; d) na 3a. pessoa do plural.
4) No primeiro e no segundo parágrafos o livro se apresenta. Em que parte da casa vivia o livro ?  Qual era  seu maior desejo? Faça um resumo da apresentação  que o livro faz de si próprio. Escreva no seu caderno. 
5) Como o livro se sentiu depois de ter sido descoberto pelo menino? 
6) Você gostou do final da história? Escreva  a sua própria versão dessa história. Não esqueça de fazer belas ilustrações do seu texto. 7) Escreva V (verdadeiro) ou   F (falso) conforme o texto:   a) ( ) Todos os dias o menino entrava no quarto para brincar; b) ( ) Todos os dias o menino lia o livro;  c) ( ) O livro  chorou e molhou  suas páginas com as próprias  lágrimas e demorou a secar;  d) ( ) O livro nunca foi descoberto pelas pessoas; e) ( ) O livro se sentia útil, por isso era feliz. 
Agora vamos  conhecer o  segundo texto. Você vai gostar muito. Leia !
                                       Eu, o Livro

Sou muito especial. Minha tecnologia é insuperável. Funciono sem fios, bateria, pilhas ou circuitos eletrônicos. Sou útil até mesmo onde não há energia elétrica. E posso ser usado mesmo por uma criança: basta abrir-me.

Nunca falho, não necessito de manual de instruções, nem de técnicos que me consertem. Dispenso oficinas e ferramentas. Sou isento a vírus, embora figure no cardápio das traças. 
Se algo em mim o leitor não entende, há um similar que explica todos os meus vocábulos.
Através de mim as pessoas viajam sem sair do lugar. Não é fantástico? Basta abrir-me e posso levá-las a Roma dos Césares ou à Índia dos brâmanes, aos estúdios de Hollywood ou ao Egito dos faraós, ao modo como as baleias cuidam de seus filhos e aos paradoxos dos buracos negros.


Sou feito de papiro, pergaminho, papel, plástico e, hoje, existo até como matéria virtual. Domino todos os ramos do conhecimento humano. E, ao contrário dos seres humanos, jamais esqueço. Se me consultam, elucido dúvidas, respondo indagações, estimulo a reflexão, desperto emoções e idéias.

Posso ensinar qualquer idioma: tupi, grego, chinês ou russo. Até línguas mortas, como o latim. Introduzo as pessoas na meditação zen-budista e nos segredos da culinária mineira, nas partículas subatômicas e na história do automóvel, nas maravilhas dos jardins suspensos da Babilônia e nos hábitos dos escorpiões.

Para utilizar-me, a pessoa escolhe o lugar mais confortável: cama, sofá da sala, tamborete da cozinha, degrau da escada ou banco do ônibus. Trago a ela os poemas de Fernando Pessoa e os salmos da Bíblia; as noções de como operar um monitor de TV e a biografia de John Lennon; as viagens de Marco Pólo e os cálculos da propulsão das naves espaciais.

Trabalho em silêncio, e nunca incomodo ninguém, pois jamais insisto. É o meu leitor que se cansa e, neste caso, pode fechar-me e continuar a leitura horas ou dias depois. Não fujo, não saio do lugar, não abandono quem cuida de mim. Fico ali à espera, em cima de uma mesa ou enfiado numa prateleira, sem alterar o meu humor. Exceto quando sou alvo da cobiça de pessoas sem escrúpulos, que me roubam de meus legítimos donos.

Revelo a quem me procura o que for de seu interesse: como cuidar do jardim ou detalhes da Guerra do Paraguai; a incrível paixão entre Romeu e Julieta ou a atribulada vida amorosa de Elvis Presley; os segredos de fabricação de um bom vinho ou as mil e uma interpretações de As Mil e Uma Noites.

Pode-se estar comigo e, ao mesmo tempo, ouvir música ou viajar de trem, navio ou avião, sem necessidade de pagar a minha passagem. Sou transportável, manipulável e até descartável. Mas costumo enganar a quem confia nas aparências: nem sempre o meu rosto revela o conteúdo.

Sem mim, a humanidade teria perdido a memória. E, possivelmente, não ficaria sabendo que Deus se revelou a ela. Sou portador de epifanias e sonhos, tragédias e esperanças, dores e utopias. 

E sou também uma obra de arte, dependendo de como os meus autores tecem e bordam as letras que preenchem as minhas páginas. Livre e lido, sou livro.
Autor: Frei Betto. Escritor, autor de “A Obra do Artista uma visão holística do Universo” (Ática), entre outros livros.
Fonte:  http://www2.uol.com.br/debate/1098/colunas/colunas03.htm
            Atividades Texto II -  Eu, o Livro (Frei  Betto)
1) Releia o texto   e responda:
a-  Como se chama o autor?    b-  Qual  personagem  conta a história?  c) O pronome empregado no livro  é pessoal. 
Sim ou Não ? ----       d) A história é contada  na primeira pessoa do singular. Certo  ou Errado?  -----
e)  De que material o livro se diz ser feito? 
2. Leia o primeiro parágrafo  da história e complete a frase: 
Sou muito especial. Minha tecnologia é insuperável. Funciono sem.........   , ... .........., ... ......  ou ...........   ...........   Sou útil até mesmo onde não há.................eletrônicos. E posso ser usado mesmo por uma................ :  basta.............     
3) Escreva um texto sobre a sua escola com o tema: Eu amo a minha escola. Empregue os  pronomes pessoais aqui estudados.  Não esqueça de fazer belas ilustrações. Circule os pronomes pessoais empregados em cores diferentes. 
Saiba mais sobre os pronomes. Clique no link abaixo:


O Que é Pronome? Pronomes pessoais do caso reto e do caso oblíquo. Atividades

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão aceitos palavrões nem ofensas.